Experiências
Experiências

Sunday, Jun 21, 2020

@ moniquelive

Outro dia estava conversando com amigas num grupo de WhatsApp e uma delas manda: A filhota dela havia invadido o armário e feito uma bagunça 🙂 Uma delas comenta “Eu adorava fazer isso”. E a mãe “Eu também, por isso que nem reprimo”. Eu falei: “Eu também, mas só quando ficava sozinha em casa”. Várias risadas. Na hora passou um filminho na mente, dos momentos de adrenalina que minha mãe saía para fazer algo na rua e eu sempre perguntava “15 min?
Miami 2018
Miami 2018

Sunday, May 17, 2020

@ moniquelive

Comprar pra mim Em um Outlet Na Victoria Secrets Na Sephora Na Aldo (um par de óculos…) Entrar num provador de roupa feminino Ser medida numa área for girls only da VS Sair maquiada Sair de salto alto Pentear o cabelo apenas pensando em mim Ter uma “crise capilar”, num dia que o cabelo não estava colaborando… Ir num banheiro público feminino Ser chamada de girl, chica e lady Essas são algumas coisas que fiz pela primeira vez na vida.
Vergonhas
Vergonhas

Saturday, Apr 25, 2020

@ moniquelive

Hoje postei no insta uma foto das minhas unhas vermelhas. A legenda diz “Já tive tanta vergonha… Mas não me lembro mais”. E esse post me fez lembrar que outro dia me dei conta de uma decisão “pré-transição” (feita pelo meu irmão 😂). Na época que a disforia estava no ápice, que a panela de pressão estava a ponto de explodir, eu decidi iniciar algumas mudanças corporais sutis, mas que eu sabia que estariam lá.
Semântica
Semântica

Saturday, Nov 23, 2019

@ moniquelive

"- Oi tudo bom?" "- Tudo bem e você?" "- Tudo ótimo. Fala de onde?" "- Botafogo e voce?" "- Flamengo" ... "- Vamos pro WhatsApp? Esse chat aqui é ruim" "- Claro, mas você já leu meu perfil?" *block* Esse diálogo acima resume bem a minha experiencia em aplicativos de relacionamento. Tipo 99% das vezes. O que me fez refletir. Qual seria esse “medo” que os homens sentem quando descobrem que estão conversando com uma mulher transgênero a ponto de fugir sem dar satisfação, no meio de uma conversa que estava se desenvolvendo.
A primeira objetificação a gente não esquece
A primeira objetificação a gente não esquece

Sunday, May 26, 2019

@ moniquelive

Faz tempo que não escrevo, mas hoje tive uma experiência que me trouxe reflexões… Baixei uns aplicativos de relacionamento para conhecer pessoas novas que me conheçam a partir dessa minha nova “fase”… Comecei a conversar com um rapaz que, depois de me chamar de linda, depois de elogiar umas fotos minhas, de dizer que adorava falar comigo, de dizer que “éramos iguais”, que se impressionou por eu gostar de videogame e trabalhar com inteligência artificial, “descobriu que eu era homem” quando pediu meu instagram.
Léo
Léo

Friday, Apr 19, 2019

@ moniquelive

Léo se foi. Na verdade nunca esteve. Léo foi uma construção, uma tentativa, um holograma. Uma ingenuidade pensar que pode-se lutar contra nossa natureza. Léo foi idealizado para ser tudo que eu observava que um homem deveria ser. Um avatar para cumprir um papel. Meio fake, desconectado do mundo real… Ainda sofro seqüelas. Léo cumpriu esse papel razoavelmente bem. Mas no caminho fez muita lambança. Machucou muita gente que não tinha nada a ver com a história.
HRT
HRT

Friday, Mar 29, 2019

@ moniquelive

Alguns amigos “da época do meu irmão” têm curiosidade sobre meu tratamento hormonal. Quais remédios fazem parte, que efeitos causam em mim, até quando vou precisar me medicar, etc. Como já comecei minha transição tarde (aka “Véia”), não segui o caminho tradicional (graças 🙏🏻), que é o caminho da auto-medicação… Digo “graças”, pois na minha adolescência a internet não era o que é hoje (era tudo mato, literalmente…). Se hoje o risco já é astronômico - de fazer mal pros rins, pro coração, risco de câncer, etc - quando é moleza entrar num grupo do face de “dicas de transição”, na minha adolescência (anos 90), sem referências, aonde eu iria encontrar “orientação”?
A Voz
A Voz

Saturday, Mar 16, 2019

@ moniquelive

Eu sempre tive o ouvido “sensível”. Desde neném, minha mãe conta, que eu não gostava de ficar em ambientes barulhentos. Lembro na infância do efeito hipnótico que um martelar, um serrote, ou uma bate-estaca exerciam sobre mim. Ficava prestando atenção no ritmo, viajando na maionese… 😂 Conforme fui ficando mais velha fui me interessando por música. Cheguei a fazer aulas de teclado em fases diferentes da minha vida. Mas nunca levei adiante, pois sentia a “magia” perdendo sua essência, ganhando ar de ciência e matemática em uma das poucas áreas subjetivas, orgânicas que me agradavam.
A Semana da Barba
A Semana da Barba

Thursday, Feb 7, 2019

@ moniquelive

Disforia de gênero é o desconforto que uma pessoa transgênero sente relacionado ao seu gênero biológico, por este não corresponder a sua identidade. É um assunto muito sério, que possui várias graduações, a mais extrema na minha opinião, pode levar a pessoa ao suicídio. Eu sempre senti isso. Mas achava que dava pra “fazer vista grossa”, “jogar pra debaixo do tapete”. Como se diz no popular, que é uma “opção”. Aliás, se a pessoa realmente acredita que é uma questão escolha, esta idéia pode levar a trans/homofobia, pois se você acredita que a sua orientação sexual ou identidade de gênero são uma “escolha”, logo você pode sofrer influência (do que quer que seja) e mudar de “opção sexual”… Mas isso é papo pra outro texto…